A Polícia de Segurança Pública (PSP) deteve durante esta semana um homem e uma mulher que se dedicavam a roubar turistas hospedados em casa de alojamento local, na freguesia da Misericórdia, em Lisboa, anunciou hoje aquela força policial.

Segundo a PSP, na terça-feira foram detidos um homem, de 42 anos, e uma mulher, de 37 anos, suspeitos de furto qualificado a residências de alojamento local a que a mulher tinha acesso.

“Estamos a falar de um casal em que a senhora tinha acesso privilegiado a estes locais, uma vez que tinha um vínculo profissional com entidades que fazem a gestão de alguns destes locais. Tendo acesso privilegiado, com as chaves, aproveitava-se disso para fazer o furto, normalmente cartões de crédito que utilizava depois para fazer algumas compras”, esclareceu o comissário Nelson Ribeiro, da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Lisboa.

De acordo com a polícia, o casal dedicava-se depois à venda de “equipamentos eletrónicos”, que comprava com os cartões roubados, através de páginas na internet.

Apesar das oito situações identificadas, na investigação que durou cerca de três meses, a polícia admite ainda que possam existir mais vítimas que ainda não fizeram queixa uma vez que só se apercebem do roubo “caso notem a falta do cartão ou através do extrato bancário”.

Aos suspeitos foi arrestada uma conta bancária com 10.000 euros de saldo e apreendidos artigos avaliados em cerca de 12.000 euros, adquiridos com os cartões das vítimas.

Acusados da prática de sete crimes de furto qualificado e nove crimes de burla informática, os suspeitos ficaram em prisão preventiva.

De acordo com o comissário Nelson Ribeiro, as detenções ocorreram no seguimento de uma investigação que durava “há três meses”, integrando a “aposta da PSP na segurança do turista”.

A PSP revelou ainda que, no último trimestre do ano, registaram-se cerca de 60 queixas na freguesia de Santa Maria Maior, em Lisboa, aquela que concentra a maior percentagem de alojamentos locais na cidade.

Segundo a polícia, desde o início do ano já foram detidas “mais de 40 pessoas” relacionadas com este tipo de crime.

O comissário falava aos jornalistas no Comando Metropolitano de Lisboa (Cometlis), em Moscavide, e afirma “há uma preocupação constante em acompanhar sempre estes fenómenos ligados ao turismo”.