O Ministério Público acusou 27 homens de vários crimes, entre os quais tentativa de homicídio e discriminação racial. Os suspeitos estão, alegadamente, ligados aos Hammerskins, um grupo de extrema-direita e supremacia branca.

No despacho de acusação a que a TVI teve acesso, são relatados episódios de grande violência contra negros, homossexuais e militantes do Partido Comunista.

Ao todo, os suspeitos estão acusados de 82 crimes, sendo que a todos os arguidos é comum o delito de discriminação racial. São 11 os acusados de homicídio qualificado na forma tentada e ofensas à integridade física qualificada.

A acusação refere ainda crimes como roubo ou tráfico de droga.

O documento refere oito episódios, que terão ocorrido entre os anos de 2013 e 2017. Um dos casos, que aconteceu em 2013, aconteceu em Benfica, Lisboa, quando um jovem negro foi agredido por vários indivíduos.

No despacho são referidos "socos e pontapés por várias partes do corpo, facadas no abdómen e tórax, e ainda golpes com uma chave de rodas na mão esquerda (...) apenas cessaram as agressões (...) ao ver o ofendido prostado no solo inanimado".

Um ano depois, na baixa de Lisboa, alguns dos arguidos agrediram um rapaz, por terem pensado que ele era homossexual. A vítima foi puxada de um carro e esfaqueada na cara, no abdómen e no tórax, acabando por ficar inanimada.

Em 2015, às portas do Coliseu dos Recreios, também em Lisboa, agrediram um militante comunista que levava uma bandeira e roupa alusiva ao PCP. O homem ficou com danos cerebrais irreversíveis.

Ao que a TVI apurou, alguns dos acusados já são conhecidos da justiça, sendo que existem arguidos deste processo que estiveram envolvidos no homicídio do cabo-verdiano Alcindo Monteiro, em 2007.

Inês Pereira