A Polícia Judiciária anunciou esta quinta-feira a detenção de vinte suspeitos de terem branqueado avultas quantias em dinheiro, associadas a burlas informáticas cometidas internacionalente, com especial incidência na Europa e nos Estados Unidos da América.

Em nota enviada às redações, a PJ avança que os detidos, todos de nacionalidade estrangeira, atuavam numa estrutura criminosa responsável pelo branqueamento de mais de dez milhões de euros, resultantes de cibercrimes em várias partes do mundo.

Sob a coordenação da Europol, Portugal, juntamente com os EUA, liderou e desencadeou uma operação  policial de larga escala, designada por Operação 2BaGoldMule, que contou ainda com os seguintes países: Áustria, Itália, República Checa, Bulgária, Polónia, Geórgia, Espanha, Suíça, Suécia, Letónia, Reino Unido, Bélgica, Alemanha e Austrália", explica o comunicado de imprensa, sublinhando a realização de mais de 40 buscas domiciliárias e não domiciliárias, e a "apreensão de diversos elementos de prova na Letónia, Bulgária, Reino Unido, Espanha e Itália".

Durante a investigação, a Polícia Judiciária fez deslocar à Letónia uma equipa de investigadores que, em colaboração com as autoridades policiais e judiciais daquele país, procedeu à detenção de 5 indivíduos daquela nacionalidade, dando cumprimento a Mandados de Detenção Europeu. Igual procedimento ocorreu na Polónia, "onde também foi detido um indivíduo, cujo perfil e dados obtidos o colocam na cúpula desta organização criminosa com atividade em Portugal".

Todos estes detidos, explica a Polícia Judiciária, foram extraditados para Portugal nas semanas subsequentes às detenções, e presentes a interrogatório judicial, tendo sido aplicada a medida de coação de prisão preventiva.