Os concelhos de Vila do Conde e Póvoa de Varzim, no distrito do Porto, vão ser alvo de um "reforço da fiscalização por parte das forças de segurança" para travar o surto de covid-19 que tem afetado os dois municípios.

A medida foi hoje anunciada pela Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte e integra um plano de ação, com várias diretrizes, delineado numa reunião que aconteceu na quinta-feira, com representantes do Governo, autoridades de saúde e as duas autarquias.

Em comunicado, a ARS Norte afirma que, "pela leitura dos dados e em face das estratégias adotadas para a contenção de novos casos, apelaram, todos os presentes [na reunião], para a imperiosa necessidade do cumprimento das determinações e orientações da Autoridade de Saúde local".

Para potenciar as estratégias de mitigação dos casos de covid-19 neste dois concelhos do litoral Norte, as entidades apontaram para a necessidade do "diagnóstico precoce de novos casos de doença, e o confinamento dos casos ativos, bem como dos seus contactos de alto risco de exposição, o envolvimento da comunidade e das suas estruturas na divulgação e cumprimento das normas e orientações da Direção-Geral da Saúde e o reforço da fiscalização por parte das forças de segurança".

Os responsáveis concluíram, ainda, a necessidade de "reforçar a articulação com todas as estruturas da comunidade, incluindo o setor das pescas, com vista a garantir uma maior eficácia na comunicação pedagógica para o cumprimento das medidas de prevenção e controlo da infeção nesta comunidade".

Hoje, a Associação Pró Maior Segurança dos Homens do Mar (APMSHM) divulgou que a comunidade piscatória de Vila do Conde e Póvoa de Varzim tem 90 pescadores em confinamento, sendo que 10 estão infetados com o novo coronavírus, forçando a que cinco embarcações estejam paradas, devido à falta de tripulantes.

No concelho de Vila do Conde, e segundo informação da câmara, o recente surto de covid-19 já infetou cerca 200 pessoas, sendo que desde o início da pandemia já se registaram 596 casos.

Em Portugal, morreram 1.792 pessoas das 55.211 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

/ PP