A Guarda Nacional Republicana (GNR) indicou hoje que vai manter o patrulhamento reforçado em todo o país, face ao elevado risco de incêndio e consequente prolongamento da situação de alerta em 13 distritos.

Em comunicado, a GNR anuncia que “irá continuar a reforçar o patrulhamento e o esforço de vigilância terrestre em todo o Território Nacional, em coordenação com as demais entidades, no intuito de prevenir a ocorrência de ignições”.

Na segunda-feira, o Governo anunciou que 13 distritos do continente se mantêm em situação de alerta até ao fim do dia de quarta-feira, devido à continuação de condições meteorológicas que aumentam o risco de incêndios.

A decisão abrange os distritos de Beja, Bragança, Castelo Branco, Coimbra, Évora, Faro, Guarda, Leiria, Lisboa, Portalegre, Santarém, Vila Real e Viseu, que inicialmente estariam em estado de alerta entre os dias 13 e 16 de agosto.

No âmbito da situação de alerta são aplicadas medidas excecionais como a proibição do acesso, circulação e permanência no interior de espaços florestais previamente definidos nos Planos Municipais de Defesa da Floresta Contra Incêndios.

A mesma proibição aplica-se a caminhos florestais, caminhos rurais e outras vias que os atravessem.

A GNR recorda que é também proibido fazer queimadas e queimas de sobrantes, fazer trabalhos em espaços florestais com recurso a qualquer tipo de maquinaria, e usar em espaços rurais ferramentas como motorroçadoras de lâminas ou discos metálicos, corta-matos, destroçadores e máquinas com lâminas ou pá frontal.

É ainda totalmente proibido usar "fogo-de-artifício ou outros artefactos pirotécnicos, independentemente da sua forma de combustão", diz-se no comunicado, no qual se acrescenta que estão suspensas autorizações que tenham sido emitidas nos distritos declarados pela Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil como em maior risco de incêndio.

/ JGR