Marvelhous saiu da Nigéria e trilhou um caminho de morte, violações, um aborto, orações, deserto, prisão, mar e dois filhos até chegar a Braga e encontrar a "luz da esperança para um futuro feliz".

Aos 24 anos, o sorriso aberto disfarça o peso da história que a jovem carrega. Foi-lhe dado asilo, está a aprender português, faz parte de um programa de estágios para refugiados numa multinacional sueca, "tem comida e um teto" para os filhos.

O pai morreu quando Marvelhous tinha 18 anos e teve que deixar a escola, ela e mais duas irmãs. Uma tia levou-a para casa dela para trabalhar. Marvelhous gostava da tia, mas do tio não: "Ele vinha dormir comigo, quando estava sozinha, e eu não queria. Dizia que, se a minha tia soubesse, me matava", conta.

Fugiu do tio e de uma gravidez indesejada, fez um aborto, "a única saída". Vagueou pelas ruas até encontrar conforto numa igreja, onde foi abordada por um homem com promessas de a fazer chegar à Europa. Embarcou na jornada que a levou, com mais duas amigas, primeiro até um campo no Níger, onde conheceu o pai dos filhos, depois para a Líbia, pelo deserto.

Na Líbia, foi presa e descobriu que tinha sido vendida, mas conseguiu, com a ajuda da família do agora marido, fugir para enfrentar o oceano até à Europa. Estava grávida da filha. O mar levou o barco onde seguia de volta a Trípoli, de volta à prisão. Mais uma fuga, mais uma viagem, agora com uma menina de oito meses no colo, mais um bebé no ventre e sem o marido.

Não tínhamos dinheiro para atravessarmos os dois. Vim eu com as crianças e ele ficou lá a trabalhar, para conseguir pagar a viagem. Quando o mar acabou, chegámos a Itália e fomos para um campo de refugiados. Um ano depois, disseram-me que vinha para Portugal", conta.

De Portugal nada sabia: "Não conhecia o país. Mas se era na Europa só podia ser melhor do que a Nigéria ou a Líbia. Quando cheguei a Braga, senti que era um sítio de gente simpática. Aqui encontrei a luz da esperança para ter um futuro e um futuro feliz", explica.

Marvelhous veio para Portugal ao abrigo de um programa de acolhimento de refugiados da União Europeia e foi acolhida pela Adolescere, uma associação que trabalha com população em risco e que acolhe famílias monoparentais femininas e refugiadas.

Ao abrigo do Programa de Recolocação da União Europeia, Portugal foi o 6.º país europeu que mais refugiados acolheu, recebendo 1.550 pessoas vindas de Grécia (1.190) e Itália (360), entre dezembro de 2015 e abril de 2018 – e que foram acolhidas em 97 municípios.

A família da Marvelhous - ela, a filha e o filho - foi a primeira que acolhemos. Fomos buscá-los a Lisboa e a viagem até Braga foi tranquila, a menina era muito curiosa, passou a viagem toda colada ao vidro", recorda Carla Fernandes, responsável daquela associação.

A Adolescere acolheu oito famílias como a de Marvelhous: "O programa de acolhimento é de 18 meses. O objetivo é desenharmos com estas mulheres um projeto de vida, que começa com a aprendizagem do português, a integração das crianças na escola, acompanhamento médico e integração profissional", descreve.

Por cada membro do agregado familiar, as mães recebem 150 euros, verba que as técnicas da Adolescere ensinam a gerir, a comparar preços, a fazer opções: "São famílias que não tinham nada e as prioridades acabam por não estar ainda bem claras", explica Carla Fernandes.

Em Portugal, Marvelhous e as restantes mães procuram todas o mesmo. "Segurança, quem goste delas, quem se preocupe com elas", salienta a responsável.

O que mais querem é que os filhos vão para a escola, que aprendam português rápido, para poderem ser alguém na vida. A principal preocupação são os filhos", garante.

As palavras de Marvelhous comprovam-no. "Fugi para poder viver sem medo. Depois que os meus filhos nasceram, já não penso em mim, apenas neles e na segurança deles. Aqui sou quase feliz", admite. Quase? "Sim, falta-me o pai delas", responde.

/ HCL