A equipa da Polícia Marítima portuguesa em missão na Grécia resgatou na madrugada de sábado 69 migrantes que seguiam a bordo de dois botes que se dirigiam para a ilha de Lesbos, anunciou a Autoridade Marítima Nacional (AMN).

Em comunicado, a AMN indica que a primeira situação ocorreu cerca das 06:00 de sábado, quando foi detetado um bote com 36 migrantes, dos quais 18 crianças, oito mulheres e dez homens, na zona do Cabo Karokas, no Mar Egeu.

"Os elementos dirigiram-se de imediato para junto do bote e, após avaliação, decidiram que o bote tinha condições de segurança para navegar, tendo a Polícia Marítima efetuado o acompanhamento até à praia de Leptimos, onde os migrantes desembarcaram em segurança e foram entregues às autoridades gregas", lê-se na mesma nota.

A segunda ação de auxílio ocorreu pelas 06:30, quando a equipa da Viatura de Vigilância Costeira da Polícia Marítima detetou um bote com 33 migrantes a bordo, dos quais 19 crianças, seis mulheres e oito homens.

"Após a deteção, foram passadas as coordenadas à equipa a bordo da embarcação da "ARADE", que se deslocou de imediato para o local", relata a AMN.

Após avaliação dos elementos da Polícia Marítima, foi decidido que o bote tinha condições de segurança para navegar, tendo sido feito um acompanhamento até a uma zona a este do porto de Skala Skamineas, onde os migrantes desembarcaram.

"No local encontravam-se já as autoridades gregas, que receberam e acompanharam os migrantes", explica a Autoridade Marítima Nacional.

Desde 2014, quando iniciou a participação na missão POSEIDON, na Grécia, a Polícia Marítima já resgatou 6.201 migrantes.

A Polícia Marítima encontra-se integrada na operação POSEIDON, sob égide da agência europeia FRONTEX e em apoio à Guarda Costeira grega, com o objetivo de controlar e vigiar as fronteiras marítimas gregas e externas da União Europeia, no combate ao crime transfronteiriço, no âmbito das funções de guarda costeira europeia.