O Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar alertou este sábado para o risco de constrangimentos no acionamento de meios em caso de acidente grave na zona Centro do país, por não ter sido nomeado substituto para a diretora regional, aposentada quinta-feira.

Rui Lázaro, presidente do sindicato, disse à Lusa que a diretora da delegação regional do Centro do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), Regina Pimentel, comunicou na quarta-feira aos trabalhadores ter recebido nesse dia a informação da Caixa Geral de Aposentações de que passaria à condição de aposentada a partir de quinta-feira, enviando uma mensagem de despedida.

Segundo Rui Lázaro, não foi dada qualquer informação sobre a nomeação, pelo Conselho Diretivo do INEM, de qualquer substituto, “nem sequer temporário”, o que, afirmou, coloca em causa não apenas procedimentos burocráticos que são da exclusiva responsabilidade da diretora, mas, sobretudo, pode gerar "constrangimentos operacionais".

Salientando ser “exclusiva competência da diretora a ativação de meios de exceção” em caso de catástrofe ou situação multivítmas, Rui Lázaro disse não acreditar “que ficasse a resposta por dar”, mas que, certamente, existiram “alguns constrangimentos, porque os trabalhadores nem sequer sabem para quem ligar para pedir essa autorização, caso seja necessária”.

Além dessa situação, o sindicato alerta para as autorizações administrativas que dependem exclusivamente da diretora, não podendo ser delegadas, como o processamento de pagamentos, de trabalho suplementar ou de horários.

Para Rui Lázaro, no mínimo, o Conselho Diretivo deveria ter nomeado alguém para exercer as funções de Regina Pimentel, “nem que seja temporariamente”, como aconteceu nos períodos de férias da diretora.

A Lusa contactou o INEM, mas não obteve resposta até ao momento.

/ CE