Depois de meses de confinamentos e de restrições de circulação, são muitas as pessoas que anseiam poder voltar a viajar para o estrangeiro e esquecer os problemas do quotidiano. Essa realidade pode ainda ser distante, no entanto, o desenvolvimento rápido de vacinas e da sua distribuição pode traduzir-se na reabertura gradual do mundo das viagens.

Especialistas alertam, no entanto, que as mudanças no mundo das viagens devem estender-se bem para além do fim da pandemia e não se deverão restringir ao uso de máscara, distanciamento social e uma maior atenção à higiene pessoal.

Mas afinal, o que podemos esperar?

Com as preocupações do Estados em conter surtos e a entrada de novas variantes, é expetável que passe a ser necessário algo que, até há bem pouco tempo, seria impensável: os chamados “passaporte de vacinação”, que provam que fomos vacinados contra a covid-19.

A Comissão Europeia propôs recentemente a criação de um passaporte de vacinação gratuito, com um código de barras para a leitura tanto na versão digital como na versão impressa. O documento deve chamar-se “certificado verde digital”, mas não será nem verde, nem apenas digital e é visto como a grande esperança para reanimar o setor turístico no velho continente.

Existe também um número crescente de aplicações de saúde que servem o mesmo propósito noutros lugares, como é o caso do Travel Pass, uma aplicação que pertence à Associação Internacional de Transporte Aéreo. Várias companhias aéreas estão a testar a utilização destas aplicações em rotas vistas como problemáticas.

Apesar de tudo, pessoas ligadas à indústria sublinham que a testagem será a chave para reduzir o impacto das infeções transfronteiriças.

Preços mais altos

Depois de quase dois perdidos, as companhias áreas vão tentar recuperar de perdas históricas. E o que é que isso significa? Preços mais elevados.

Mesmo com o aumento da procura, as companhias aéreas não deverão conseguir recuperar aos níveis pré-pandemia e isso leva alguns especialistas a crer que os preços podem mesmo ver variações na ordem dos 30%.

Mais alojamento local

Os alojamentos locais disponíveis através de aplicações como o Airbnb foram particularmente populares durante a pandemia, devido ao aumento da procura por alojamento mais espaçado e que oferece um maior controlo do alojamento por parte do hospede, e essa é uma tendência que se deverá manter.

Ao contrário do que os analistas esperavam, as pessoas não foram em busca de produtos hoteleiros padronizados que oferecessem garantias do cumprimento dos protocolos de limpeza para a covid-19.  

Eu prevejo que, mesmo quando a população mundial estiver vacinada, as pessoas vão continuar a procurar por experiências novas e diferentes”, revelou o professor de gestão hoteleira Christopher Anderson, em declarações à televisão norte-americana CNN.

Recorde-se que muitos alojamentos locais, guest houses e pequenos hotéis, particularmente no interior do país, acabaram por ter um grande ano de 2020, por servirem de refúgio a milhares de pessoas que procuraram férias longe da confusão.

Acredito que esta tendência vai-se manter em 2021, enquanto as pessoas se mantém cautelosas em relação à longevidade da eficácia da vacinação”, insistiu o professor.

Viajar sem sair do país

Com o ressurgimento do número de casos do novo coronavírus na Europa, é provável que as viagens ao estrangeiro se mantenham restritas em muitos países

No Reino Unido, multiplicam-se as vozes entre os especialistas que aconselham o governo britânico para o perigo do aparecimento de novas variantes, particularmente resistentes à vacina, durante o período do verão.

A manter-se a tendência é provável que se repito algo como o que se viu em 2020, com um parte significativa dos portugueses a optar por fazer férias dentro do país, com particular destaque paras zonas do interior e para o turismo rural.

Tecnologias “touchless” ganham espaço

Foi uma das tecnologias em uso que mais se expandiu durante a pandemia. Numa altura em que o contacto físico poderia representar o risco entre a vida e a morte, as tecnologias “touchless” deixaram de ser algo que utilizávamos exporadicamente para algo fundamental nas nossas vidas.

Quantas vezes utilizou o seu telemóvel para validar uma viagem de avião ou fazer o check-in num hotel? Para muitos analistas a pandemia de covid-19 precipitou o mundo tecnológico a ir muito mais a fundo nessa área. De acordo com analistas, em breve deve esperar abrir a porta do seu quarto de hotel com o telemóvel, enviar mensagens para a receção ou formular pedidos para o serviço de quartos, tudo através do seu telemóvel.

Collen McDaniel, editora do site de cruzeiros Cruise Critic, afirma que não é apenas a tecnologia que se vai tornar touchless, também os buffets estão prestes a acabar tal qual os conhecemos. A partir de agora, segundo a especialista, a opção vai manter-se, mas a comida vai passar a ser distribuída pelos funcionários.