O primeiro grupo de cidadãos que estavam a bordo do navio cruzeiro atracado no porto de Lisboa embarcou hoje de manhã num voo com destino à Alemanha e o transporte para o aeroporto obedeceu a medidas de segurança, segundo a PSP.

Numa conferência de imprensa realizada no Comando Metropolitano de Lisboa da Polícia de Segurança Pública, Paulo Pereira, desta força de segurança, avançou que a PSP já transportou para o aeroporto Humberto Delgado 154 passageiros que já levantaram voo em direção à Alemanha.

A PSP, que é responsável pelo transbordo dos passageiros entre o navio de cruzeiro MSC Fantasia e o aeroporto de Lisboa, indica que estão previstos para a tarde de hoje mais três voos, um às 14:00 com destino Brasil e que levará cerca de 460 pessoas, outro às 14:10 para Londres e um outro para a Alemanha às 16:10.

Paulo Pereira garantiu que a transferência do primeiro grupo de passageiros foi organizada por várias colunas, um método que vai ser utilizado para os voos seguintes.

“Esta deslocação é sujeita a medidas de segurança, desde logo os passageiros vão nos autocarros em número muito mais reduzido, cerca de um terço da sua capacidade, e também são adotados procedimentos para que os passageiros não utilizem nenhuma área pública no aeroporto de Lisboa”, disse.

Paulo Pereira frisou que a PSP está a seguir as orientações da Direção-Geral da Saúde (DGS), passando pelo distanciamento dos próprios passageiros no interior do autocarro até ao momento do embarque.

Segundo este oficial da PSP, o transporte obedece “a regras muito bem definidas e, por questões de segurança e sanitárias, envolve um maior número de autocarros e de operações de transporte e de deslocação entre o terminal e o aeroporto”.

No aeroporto, estes passageiros entram diretamente no avião. A organização desta operação teve a intervenção da autoridade de saúde e do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, entidade que coordena na generalidade esta operação.

“À PSP cabe acompanhar e escolar os passageiros que entram nos autocarros em direção ao aeroporto, quem controla a saída e entrada dos passageiros nos autocarros são outras entidades”, especificou aquele oficial da polícia, sublinhando que esta força de segurança envolve as valências do trânsito, ordem publica através da Unidade de Especial de Polícia e segurança aeroportuária.

 A PSP garantiu ainda que os polícias têm instruções e orientações para manter o distanciamento, “não só nesta operação mas em qualquer ação e abordagem ao cidadão” durante o estado de emergência que foi declarado para fazer face ao novo coronavírus.

Segundo a PSP, o distanciamento recomendado aos polícias é de cinco metros.

O cruzeiro MSC Fantasia, proveniente do Brasil, acostou no domingo no Porto de Lisboa com 1.338 passageiros, maioritariamente da União Europeia, Reino Unido, Brasil e Austrália, a bordo.

Destes, 27 cidadãos (20 portugueses e sete titulares de autorização de residência em Portugal) desembarcaram na segunda-feira.

De acordo com uma nota do Ministério da Administração Interna, estes portugueses foram submetidos aos testes de despistagem de vírus SARS-CoV-2 e levados até ao seu domicílio, onde ficarão em isolamento profilático.

A diretora-geral da Saúde, Graça Fretas, avançou na segunda-feira que um dos passageiros portugueses que desembarcou no domingo testou positivo à Covid-19.

Esta operação, que decorre em articulação com diversas embaixadas dos vários países, envolve a Direção-Geral dos Assuntos Consulares e das Comunidades Portuguesas, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, a PSP, a Autoridade Nacional da Aviação Civil, a Direção-Geral da Saúde, a Polícia Marítima, a Autoridade Tributária e Aduaneira e a ANA - Aeroportos de Portugal.

Em Portugal, há 23 mortes e 2.060 infeções confirmadas, segundo o balanço feito segunda-feira pela DGS.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 345 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 15.100 morreram.

/ BC