Tiago Sousa era ainda criança quando descobriu o mundo da ginástica e apaixonou-se pela modalidade de tumbling. Desde cedo foi destacado como um “jovem promessa”, tornou-se atleta de alta competição do Lisboa Ginásio Clube e chegou mesmo a integrar a seleção nacional.

Durante um treino, com apenas 21 anos, um mortal atrás veio hipotecar o futuro que tinha tudo para ser promissor. Num aquecimento, uma queda, fez com que tivesse uma luxação cervical nas vértebras C5 e C6 e no hospital o diagnóstico não deixou duvidas: Tiago estava tetraplégico e iria passar o resto da vida numa cadeira de rodas.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A post shared by Tiago Sousa (@tsousa84)

 

Mas o espírito de atleta de alta competição fez com que o jovem atleta nunca baixasse os braços. Depois de várias operações, tratamentos e muitas sessões de reabilitação, regressou ao ginásio que mudou a sua vida e tornou-se preparador físico. Nos últimos anos tem dado treinos a atletas de alta competição e já preparou ginastas para campeonatos europeus e para os Jogos Olímpicos.

Com o lema “Lutar sempre, vencer talvez, desistir nunca: sem desculpas!” tornou-se, através das redes sociais, um exemplo de força e coragem capaz de inspirar todos à sua volta.

Em 2016 descobriu que um futuro sem uma cadeira de rodas pode estar no programa Cyberdyne, nos Estados Unidos, e candidatou-se ao exoesqueleto Hal (Hybrid Assistive Limb).

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A post shared by Tiago Sousa (@tsousa84)

 

 

Em janeiro deste ano Tiago voou até Jacksonville, na Flórida, para fazer os pré-requisitos de atividade muscular e recebeu a notícia que tanto esperava: o corpo está a dar sinais de esperança e o futuro sem a cadeira de rodas pode estar cada vez mais perto.

Márcia Sobral