Um grupo de cientistas portugueses, do Instituto de Tecnologia Química e Biológica da Universidade Nova de Lisboa (ITQB NOVA), em Oeiras, descobriu três fármacos capazes de fragilizar o SARS-CoV-2. 

De acordo com com o Diário de Notícias, trata-se de uma alternativa terapêutica para combater o vírus que dá origem à covid-19, desenvolvida em tempo recorde. A descoberta permite evitar um cenário de doença grave e transformar uma infeção pelo novo coronavírus num quadro de sintomas semelhantes ao de uma constipação.

A infeção será bem mais controlada" e acrescenta "de forma muito simples, pode dizer-se que em vez de as pessoas desenvolverem doença grave e terem de ir parar ao hospital, poderão ficar em casa com uma constipação a assoar-se", explicou ao jornal Cecília Arraiano, coordenadora da investigação e diretora do Laboratório de Controlo da Expressão Génica, do ITQB NOVA.

Segue-se agora o fim do processo de registo de patente e daqui em diante o trabalho pertence à indústria farmacêutica. 

Costumo dizer que conseguimos transformar um lobo num cão. Imagine o que é termos medicamentos baratos que irão tratar diretamente a infeção pelo SARS-CoV-2, permitindo que as pessoas fiquem em casa", argumenta.

Dois dos medicamentos estão já aprovados pelas autoridades do medicamento internacionais, como a FDA (Food and Drug Administration), e já estão a ser usados noutras doenças.

Redação / CE