Dois dos três jovens detidos este sábado pela polícia no Rossio, em Lisboa, encontram-se nas instalações da Polícia Municipal na Praça de Espanha por «alegadamente terem obstruído a intervenção policial», contou à agência Lusa a advogada dos activistas.

O terceiro elemento detido foi identificado pela ocupação de espaço público e pela posse de material diverso, inclusive de som, precisou a advogada Luísa Acabado. A advogada dos três detidos diz que «não há nenhum motivo» para os jovens - que serão notificados para ir a tribunal - ficarem nas instalações policiais durante mais tempo.

Ao que o tvi24.pt apurou um dos jovens é militante do Bloco de Esquerda. Os confrontos na praça começaram com a Polícia Municipal que deteve um dos jovens e acabou por chamar a PSP. Os agentes do Comando Metropolitano de Lisboa auxiliaram os polícias municipais a restabelecer a ordem pública, mas fonte do Comando da PSP esclarece que as detenções são da responsabilidade da Polícia Municipal.

Vários testemunhos no local acusam a polícia de carga policial sobre as pessoas indiscriminadamente, mas fonte do comando da PSP disse ao tvi24.pt que apenas foi usada a força necessária para «manietar» os detidos e restabelecer a ordem pública.

Segundo adiantou a Lusa, a intervenção policial começou cerca das 15:30, quando as forças de segurança carregaram sobre alguns dos cerca de 100 manifestantes. A PSP recolheu algumas tendas e cartazes, mas os jovens recusam-se a desmobilizar e não percebem o que causou a intervenção policial.

«Estamos aqui acampados há mais de uma semana e sempre houve uma grande interacção com todos os polícias municipais que aqui estiveram. Hoje não sei o que aconteceu», disse Raquel Bravo, integrante do Movimento Democracia Verdadeira Já, que promoveu a concentração na Praça do Rossio, no centro da cidade.

De acordo com a manifestante, um dos membros do grupo «estava a enrolar um cigarro pacificamente» quando um agente pediu a sua identificação, gerando-se posteriormente uma grande confusão com insultos e violência física.

«Tenho várias marcas de bastões. Levaram três pessoas sem sabermos como e tiraram-nos tudo. Isto é uma vergonha», contou a jovem à reportagem da agência Lusa.

Por outro lado, fonte da Polícia Municipal alegou que o grupo de contestatários tentou agredir os agentes municipais no «cumprimento do seu dever», precisando que até ao final do dia de hoje a Praça do Rossio terá de ficar «livre e desocupada».

Para as 19:00 está prevista no local uma assembleia popular, que já estava prevista antes da intervenção policial, e que poderá agora ganhar novos contornos, advertem os manifestantes.
Redação / CLC