A GNR deteve um grupo de cinco pessoas suspeito do furto de cerca de 40 veículos automóveis, em operações realizadas na segunda-feira em Olhão e Tavira.

Os detidos têm idades entre os 18 e os 45 anos e foram detidos no âmbito de uma investigação conduzida desde setembro pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Faro, precisou a GNR, segundo comunicado do Comando Territorial de Faro.

Os detidos são alegadamente integrantes de “um grupo suspeito de ser responsável pelo furto de cerca de 40 veículos provenientes de empresas de rent-a-car e de aluguer de autocaravanas, bem como de oficinas de reparação de veículos”, contextualizou ainda a GNR.

A força de segurança conseguiu durante a operação policial “recuperar 22 veículos furtados” e suspeita ainda que “alguns dos veículos foram levados para Espanha ostentando matrículas falsas”.

A investigação culminou com a realização de uma operação policial nos concelhos de Olhão e de Tavira, dando-se cumprimento a quatro mandados de detenção e a 12 mandados de busca, dos quais quatro a residências, dois a empresas e seis a veículos”, referiu a GNR.

Entre os materiais apreendidos estão “nove veículos - destes cinco eram furtados -, uma autocaravana furtada, um veículo desmantelado furtado, diversas chaves e documentação de veículos, várias chapas de matrícula, nacionais e estrangeiras”, indicou a GNR.

Foram igualmente apreendidas, acrescentou, “diversas ferramentas elétricas, 137 doses de haxixe, 10 doses de canábis, dois moinhos de trituração de estupefaciente, uma balança digital, vários passa-montanhas e luvas, duas câmaras de videovigilância, dois ‘walkie-talkie’, uma catana, um taco de basebol, nove telemóveis e 1.540 euros em numerário”.

Os cinco detidos são também “suspeitos de terem realizado um roubo na via pública e de traficarem estupefacientes na zona algarvia”, salientou a GNR, revelando que “foi ainda constituído arguido um homem, de 55 anos, pelo crime de recetação”, no âmbito do mesmo processo.

Os detidos vão ser ouvidos no Tribunal Judicial de Faro em primeiro interrogatório judicial e, no final, ficarão a conhecer as eventuais medidas de coação a que ficarão sujeitos.