A polémica marquise da casa de Cristiano Ronaldo em Lisboa foi destruída esta terça-feira. O craque português tinha recebido uma ordem da Câmara Municipal de Lisboa para "repor o imóvel de acordo com o projeto aprovado".

Agora, a penthouse, situada no número 203 da Rua Castilho, fica sem o acrescento pedido.

Ao internacional português foi dada a hipótese de avançar para uma legalização da estrutura, mas Cristiano Ronaldo optou por não legalizar a obra e avançar para a demolição.

À altura da decisão, a autarquia deu duas semanas para que fosse regularizada a situação, mas o jogador decidiu mesmo destruir a obra.

A Câmara Municipal de Lisboa entendia que a obra foi fetia “em desconformidade com as telas finais do projecto aprovado”.

A polémica marquise de Cristiano Ronaldo levou a uma reação crítica do arquitecto José Mateus, que desenhou a transformação do prédio de vários andares. Falando em “desrespeito e conspurcação de forma ignóbil” sobre o seu trabalho, anunciou que não ia “assistir parado” à situação, tendo acabado por acompanhar os fiscais na vistoria à obra.

António Guimarães