Está em risco de fechar portas um dos primeiros hospitais privados a exisitr em Portugal, o Saint Louis, em Lisboa.

A IPSS que gere o Saint Louis reclama uma dívida do Serviço Nacional de Saúde de mais de cinco milhões de euros, por conta dos atrasos na faturação e pagamento dos vales-cirurgia, emitidos para os doentes poderem se operados no privado quando o tempo de espera no público é ultrapassado.

A dívida é de mais de cinco milhões de euros, mas a maior fatia ainda nem sequer tem ordem de faturação por parte da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo.

Numa primeira fase as ARS têm de validar a fatura dos vales no prazo de cinco dias, mas os atrasos chegam a ter dois anos.

Depois, cabe aos hospitais pagar a fatura, mas também aqui há atrasos, no caso são mais dois milhões de euros em falta.

A situação não é, contudo, exclusiva. A TVI sabe que há vários hospitais privados em que os médicos estão a recusar operar os doentes com vales-cirurgia.

Diana Catarino