«Não é suficiente porque somos cerca de 1.500 utentes e isso não chega a nada. Ainda por cima com um inverno tão frio como tem sido, com a gripe. A maior parte da população é muito idosa, muitos nem transporte têm, nem dinheiro sequer para se deslocarem ao centro de saúde de Montalegre».




«É um incómodo muito grande para os idosos e para as pessoas que não têm transportes para ir ao médico. É muito longe ir a Montalegre. Os ordenados são muito baixos e ir para lá é muita despesa».







«Há cerca de dois meses, o médico com presença quotidiana na localidade tirou licença sem vencimento, devido a motivos de saúde. Desde então, os utentes têm de se deslocar ao centro de saúde de Salto às cinco horas da manhã para marcarem a sua vez, sendo que muitos ficam sem atendimento».