O reitor da Universidade Fernando Pessoa, Salvato Trigo, que estava acusado de ter desviado dinheiro da instituição em benefício próprio e da sua família, foi hoje condenado a uma pena suspensa de um ano e três meses de prisão.

O tribunal, no juízo local criminal do Porto, deu como provado que o reitor cometeu um crime de infidelidade por ter, alegadamente, desviado verbas daquela instituição de ensino privado em benefício próprio e da sua família.

O julgamento de Salvato Trigo, único arguido no processo, arrancou em outubro de 2017 no Tribunal Judicial da Comarca do Porto e decorreu à porta fechada a pedido do arguido.

Durante o julgamento, e segundo hoje referido pelo juiz na leitura da sentença, foram inquiridas técnicos oficiais de contas e professores da Universidade Fernando Pessoa.

De acordo com a acusação, o reitor terá montado vários esquemas para fazer sair elevadas quantias da fundação que detém a universidade.

O dinheiro seria, depois, canalizado para uma empresa cujos sócios são a mulher e os dois filhos.

No final dos anos 90, Salvato Trigo foi condenado a dez meses de prisão, suspensos na sua execução, num processo que envolvia o desvio de subsídios do Fundo Social Europeu, quando era diretor da Escola Superior de Jornalismo do Porto.

A 29 de janeiro deste ano, o reitor enviou uma mensagem por correio eletrónico aos professores, alunos e funcionários daquela universidade a informar que era “falso” ter desviado fundos ou cometido qualquer outro crime.

“Completamente falso que eu tenha alguma vez desviado fundos ou cometido qualquer outro crime e disso tem estado a ser feita prova documental e testemunhal no julgamento a decorrer”, lê-se no 'email' a que a Lusa teve acesso.

Na mensagem, Salvato Trigo lamentou que o Ministério Público tenha acreditado em denúncias de um ex-técnico Oficial de Contas (TOC).

“Infelizmente, o Ministério Público acreditou nas denúncias inteiramente falsas do ex-TOC da Fundação [Fernando Pessoa], que por ter sido demitido por mim com toda a justificação, resolveu vingar-se e pôr em causa a minha administração da Fundação que ele, aliás, como membro também do seu Conselho Fiscal, sempre aprovou com louvores exarados em livro de atas”, relatava.