Sandro Bernardo, pai de Valentina, meina de nove anos encontrada morta em Peniche no dia 10 de maio de 2020, admitiu esta sexta-feira que combinou com a mulher darem uma versão dos factos ocorridos à Polícia Judiciária.

Confrontado com a existência de diferentes declarações em sede de interrogatório judicial, e posteriomente em tribunal, o suspeito confirmou que ficou combinado que seria ele a assumir as culpas da morte.

Ficámos com medo do que o que ia acontecer com elas [filhas de Márcia] e ficou combinado eu assumir as culpas. A Márcia é que fez tudo isto", disse.

Tal como o pai da vítima, também Márcia Monteiro, madrasta da menina, está acusada de homicídio qualificado e de profanação de cadáver.

Questionado pela procuradora do Ministério Público sobre qual a razão que levou a uma versão diferente, Sandro Bernardo diz que foi ele próprio que decidiu contar a verdade, depois de nos primeiros interrogatórios judiciais as versões dos dois suspeitos terem coincidido quase na perfeição.

Em tribunal, Sandro Bernardo apresentou uma versão completamente diferente da inicialmente proferida. Se no dia do primeiro interrogatório judicial afirmou ter batido na menina, dizendo mesmo que lhe deu uma "tareia", esta sexta-feira negou os factos, reiterando que não bateu na menina no dia da morte (6 de maio).

O suspeito diz que decidiu contar a verdade porque a família não acreditava que ele tivesse cometido o crime.

Não tive responsabilidade na morte da minha filha. Foi a Márcia", afirmou.

Pai e madrasta respondem em co-autoria por homicídio qualificado, profanação de cadáver, abuso e simulação de sinais de perigo. O pai, por ter sido o autor das agressões, está ainda acusado de violência doméstica.

A criança, de nove anos, foi dada como desaparecida na manhã de uma quinta-feira, depois de uma denúncia do pai no posto de Peniche da GNR. Na manhã de domingo, 10 de maio, foi encontrada sem vida numa zona eucaliptal, na Serra D'el Rei, em Peniche.

No dia em que a criança foi encontrada, Sandro Bernardo confessou ter cometido o crime.