"Não temos nenhum indício nos autos de que poderemos estar perante um predador sexual. O senhor mostrou-se arrependido e pareceu-me que sincero", disse o magistrado judicial, salientando, contudo, que estamos perante um crime "hediondo".