Os concelhos de São Brás de Alportel e Alcoutim, no distrito de Faro, apresentam esta quinta-feira um risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

O IPMA colocou também em risco muito elevado de incêndio os concelhos de Loulé e Tavira, no distrito de Faro, de Almodôvar, em Beja, e Melgaço, em Viana do Castelo.

Há também mais de 30 concelhos de vários distritos de Portugal continental em risco elevado de incêndio.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA tem cinco níveis, que vão de “reduzido” a “máximo”, sendo o "elevado” o terceiro nível mais grave.

Os cálculos para este risco são obtidos a partir da temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

Devido ao risco de incêndio, a Guarda Nacional Republicana (GNR) anunciou na quarta-feira que vai reforçar o patrulhamento terrestre no território continental até 31 de março para prevenir os fogos florestais.

O reforço do patrulhamento decorre do “agravamento do risco de incêndio florestal” previsto para os próximos dias.

Na terça-feira, o Governo assinou um despacho que determina a declaração de Situação de Alerta até domingo, com base nas previsões meteorológicas, que apontam para um “significativo agravamento do risco de incêndio florestal”.

Na segunda-feira, a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) emitiu um aviso à população sobre o perigo de incêndio rural, devido à manutenção de temperaturas acima do habitual para a época e “acentuado aumento da intensidade do vento”.

Às 07:00 desta quinta-feira, a ANPC registava na sua página da internet um total de 10 incêndios que mobilizavam 84 operacionais, com o apoio de 25 meios terrestres.

Àquela hora dois fogos estavam em curso e oito em fase de conclusão.