A covid-19 pode causar perda de audição súbita e permanente. A conclusão é de um grupo de peritos da University College de Londres, que divulgaram na publicação científica BMJ o caso de um britânico de 45 anos com asma, internado em cuidados intensivos com covid-19, e que precisou de ser ventilado e medicado com corticoides e remdesivir

A equipa de especialistas garante que nenhum medicamento administrado deveria causar perda de audição e o doente em momento algum tinha reportado problemas auditivos, não tinha qualquer doença autoimune, gripe ou VIH, problemas normalmente ligados à perda de audição. Porém, uma semana depois de deixar os cuidados intensivos, desenvolveu um ruído permanente no ouvido esquerdo - tinnitus - acabando por perder a audição. 

Exames mais aprofundados revelaram que a perda de audição ficou a dever-se a uma inflamação do nervo, que foi tratada com corticoides, tendo o doente ficado com a audição parcialmente restabelecida. 

Segundo o The Guardian, trata-se do primeiro caso reportado no Reino Unido mas há relatos de casos semelhantes noutros países, ainda que, por agora, seja desconhecida a relação do SARS-CoV-2 com a perda de audição. Segundo Stefania Koumpa, coautora do estudo, há explicações possíveis: o vírus poderá matar células ou libertar químicos tóxicos para o ouvido interno. 

A equipa da University College defende que todos os doentes internados em cuidados intensivos com covid-19 devem ser questionados sobre eventual perda auditiva. Ainda que este seja um problema condiderado raro, o Guardian falou mesmo com um professor de audiologia da Universidade de Manchester que garante que tem sido abordado por vários sobreviventes de covid-19 que relatam zumbidos e mudanças na audição após a alta.

Bárbara Cruz