A perda de audição está muitas vezes associada ao envelhecimento, mas a mudança de comportamento dos jovens coloca-os como grupo de risco. O otorrinolaringologista Herédio de Sousa explicou, esta terça-feira no Diário da Manhã, como prevenir a perda de audição e a melhor forma de sensibilizar os jovens para o problema.

A Organização Mundial de Saúde alerta que cerca de 50% dos jovens entre os 12 e os 35 anos estão expostos a níveis extremamente elevados de ruído.

Essa é a tendência atual, mas a expectativa é a aumentar nos próximos anos”, revelou.

Estima-se que 36 milhões de crianças possam ser afetadas pela perda de audição nos próximos 30 anos. 

A maior parte dos casos de perda de audição pode ser prevenida. Cerca de 60% dos casos podem ser prevenidos”, contou.

O nível de ruído em concertos e bares é, muitas vezes, demasiado elevado e a isto soma-se o uso frequente de auriculares e auscultadores. O médico sublinhou que, atualmente, a perda de audição associada ao ruído é irrecuperável.

A perda de audição associada ao ruído afeta o ouvido interno, que tem células nervosas que, atualmente, à luz dos conhecimentos atuais, ainda não temos capacidade de recuperá-las”, afirmou Herédio de Sousa

Explicou ainda que a perda de audição advém da exposição a um ruído mais elevado durante um espaço de tempo mais prolongado. O médico deu como exemplo as pessoas que praticam exercício físico a ouvir música, que estão muito mais expostas a este problema. 

/ JGR