Os enfermeiros iniciaram, esta quarta-feira, às 08:00 uma greve de três dias, que deverá afectar todos os serviços, estando apenas garantidos os serviços mínimos para casos de risco de vida, escreve a Lusa.

Segundo João Carlos Martins, do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), a greve termina no final do turno da tarde do dia 29 (sexta-feira), o que na maior parte dos casos acontecerá às 24:00.

Todos os serviços deverão ser afectados pela paralisação, embora o sindicalista acredite que é nas intervenções cirúrgicas não urgentes e na generalidade dos centros de saúde e consultas externas dos hospitais que mais se vai sentir a falta de enfermeiros.

No que respeita aos serviços mínimos, João Carlos Martins disse que serão realizados «apenas os cuidados que se não forem prestados colocam em risco a vida dos utentes».

Enfermeiros «humilhados»

O SEP espera uma adesão superior à das últimas greves, que têm rondado os 70/80 por cento.

Os enfermeiros contestam a última proposta salarial do Ministério da Saúde, «inferior à apresentada anteriormente».

Estes profissionais afirmam-se «humilhados» perante a proposta de ingresso na carreira a receber 995 euros, «abaixo dos actuais já injustos 1020 euros e muito longe dos 1200 euros de qualquer outro licenciado na Administração Pública».

Os enfermeiros estão também contra as cotas que limitam o acesso de apenas 10 por cento ao topo da carreira.
Redação / PP