“Contudo alertamos que uma coisa é cerca de 700 admissões de enfermeiros desde janeiro. Mas isso não significa um aumento de 700 efetivos. Porque apesar destas entradas, também tem havido saídas, sobretudo por imigração e também por aposentação”, referiu José Carlos Martins.


“É necessário descongelar um maior volume de admissões porque os concursos são muito demorados”, sublinhou o presidente do SEP que considera que faltam no país 25 mil enfermeiros.




“Há vários estudos que demonstram que se houver número de enfermeiros ajustados às necessidades se reduzem em 30% as infeções hospitalares, reduz-se brutalmente o número de quedas, as mortes e os internamentos. Se houver o número de enfermeiros suficiente, o Estado poupa milhares de euros”, afirmou José Carlos Martins aos jornalistas.