A greve dos enfermeiros teve uma adesão de 90,48 por cento no turno da manhã desta sexta-feira, segundo disse à Lusa a vice-coordenadora do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP).

Guadalupe Simões revelou que a paralisação chegou mesmo aos 100 por cento em alguns hospitais, nomeadamente de Tondela, Fundão, Montijo, Santiago do Cacém, Ponte de Lima, Faro e Portimão.

A dirigente sindical adiantou ainda que no turno da manhã costumam estar escalados 19 mil enfermeiros.

O Ministério da Saúde ainda não publicou os dados da adesão à greve no turno da manhã do terceiro e último dia de greve. Os últimos números apontam para uma adesão de 82,98 por cento na quinta-feira.

A greve termina esta sexta-feira com uma manifestação em Lisboa, onde são esperados entre 15 mil a 17 mil enfermeiros, de acordo com o sindicato. O protesto vai partir do Ministério da Saúde com destino ao Ministério das Finanças.

José Carlos Martins, coordenador nacional do SEP, considera que esta paralisação tem os «maiores níveis de adesão desde 1976».

Os enfermeiros contestam a alegada proposta governamental de ingresso na carreira, que fixa o salário em 995 euros, um valor abaixo dos actuais 1020 euros e dos 1200 de outros profissionais da administração pública.

A ministra da Saúde, no entanto, já esclareceu que a proposta em cima da mesa visa coloca o início de carreira dos enfermeiros ao nível técnico superior da administração pública.
Redação / PB