Dois médicos recém-especialistas em pediatria aceitaram ir trabalhar para o Hospital Garcia de Orta, em Almada, o que não é ainda suficiente para reabrir a urgência noturna encerrada desde meados deste mês.

A revelação foi feita esta quinta-feira, no parlamento, pela ministra da Saúde, Marta Temido, durante a interpelação do PSD ao Governo sobre a situação da saúde e do Serviço Nacional de Saúde (SNS) em Portugal.

Em declarações aos jornalistas no final do debate, a ministra explicou que os dois recém-especialistas, que terminaram agora a formação especializada e aceitaram ficar no Garcia de Orta, ainda não são suficientes para conseguir reabrir a urgência pediátrica no período noturno.

Marta Temido espera ainda conseguir que mais alguns dos 11 especialistas, que terminaram agora o internato em pediatra, possam também reforçar a equipa do Garcia de Orta, que precisa de mais cinco a sete especialistas para que a urgência noturna seja reaberta “com total tranquilidade”.

A ministra reiterou que o encerramento é uma solução temporária e que está a tentar ultrapassar a questão.

No dia 15 de novembro, o Ministério da Saúde anunciou que a urgência pediátrica do Garcia de Orta iria passar a encerrar todas as noites, entre as 20:00 e as 08:00, apontando como alternativa dois centros de saúde que alargaram o seu horário.

A unidade de saúde da Amora, no Seixal, e a Rainha Dona Leonor, em Almada, passaram a funcionar das 08:00 às 00:00, nos dias de semana, e das 10:00 às 22:00, ao fim de semana.

O encerramento da urgência pediátrica do Garcia de Orta no período noturno deve-se à falta de pediatras, que já afeta o hospital há mais de um ano, quando saíram 13 profissionais, alguns dos quais para o setor privado.

A ministra da Saúde assumiu já que o encerramento da urgência do Garcia de Orta é temporário, mas avisou que é necessário uma reorganização das urgências da área metropolitana de Lisboa.

/ RL