«Houve ambulâncias que tiveram de esperar entre 30 a 45 minutos devido a essa dificuldade. Quando a situação foi detetada, foram de imediato disponibilizadas mais macas para os doentes e o problema ficou resolvido», contou à Lusa.