O PS defendeu esta sexta-feira a reorganização da rede hospitalar na Área Metropolitana de Lisboa, para permitir que 100 mil utentes da zona Oriental de Loures sejam atendidos no novo hospital construído no concelho, noticia a Lusa.

O novo Hospital de Loures (Beatriz Ângelo), abre portas no dia 19 para servir os habitantes dos concelhos de Loures, Odivelas, Mafra e Sobral de Monte Agraço.

No entanto, cerca de 100 mil utentes das freguesias da zona Oriental do concelho (Sacavém, Portela, Moscavide, Santa Iria da Azóia, São João da Talha e Bobadela) não estão abrangidos pelo Hospital Beatriz Ângelo, já que era suposto serem servidos pelo futuro Hospital de Todos os Santos.

Com o encerramento, em Dezembro, das Urgências do hospital Curry Cabral, estes utentes têm de se deslocar ao Hospital de São José, onde continuarão a ir, caso não sejam integrados no Hospital de Loures.

«Entendemos que as coisas como estão agora constituem uma descriminação a alguns munícipes de Loures. Aquilo que queremos é que o Governo coloque o Hospital Beatriz Ângelo ao serviço de toda a população do concelho, pelo menos até à entrada em funcionamento do Hospital de Todos os Santos», afirmou o presidente da Câmara Municipal de Loures, Carlos Teixeira (PS).

O autarca socialista que falava à agência Lusa, após uma reunião de deputados do PS de Lisboa com a Administração do hospital de Loures, afirmou que o aquela unidade hospitalar está preparada para receber os utentes da zona Oriental do concelho, caso esse seja o entendimento do Governo.

Por seu turno, o Presidente da Federação da Área Urbana de Lisboa do Partido Socialista (FAUL), Marcos Perestrello, defendeu a reorganização da rede hospitalar na zona de Lisboa que, em seu entender, não só resolveria o problema dos utentes da zona Oriental de Loures como também traria benefícios orçamentais ao Estado.

«Essa alteração é justa e o Governo deve começar a trabalhar já nela. Essa situação iria diminuir os custos do Estado uma vez que os actos médicos no Hospital de Loures são mais baratos do que no São José», argumentou.

Na quinta-feira os socialistas enviaram um requerimento ao Ministério da Saúde a pedir informações sobre a construção do Hospital de Todos os Santos e o funcionamento do Hospital de Loures.

O novo Hospital de Loures será gerido pela Espírito Santo Saúde, terá 30 especialidades e deverá servir 272 mil habitantes dos quatro concelhos.

O edifício, situado na Quinta da Caldeira, estará equipado com 424 camas de internamento, oito blocos operatórios, 44 gabinetes de consulta externa e 64 postos de hospital de dia.

O equipamento albergará 1.200 trabalhadores, dos quais 290 médicos e 370 enfermeiros, e deve o nome a Carolina Beatriz Ângelo, a primeira mulher a votar em Portugal e também a primeira médica a realizar uma cirurgia.
Redação