A Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar está de acordo com a decisão de manter as escolas abertas. Jorge Brandão, vice-presidente da associação, esteve no “Diário da Manhã” da TVI e justificou a posição com os “problemas de caracter social e familiar” que a decisão de encerrar os estabelecimentos de ensino iria criar.

Ouvindo ontem a senhora ministra e a senhora diretora geral de saúde, achei bastante esclarecedora a decisão que foi tomada pelo Conselho Nacional de Saúde Pública. É uma faca de dois gumes: encerar neste momento todas as escolas iria criar imensos problemas de caráter social e familiar em relação aos utentes”, disse.

O médico considera que se tem de “dar respostas proporcionais à situação”.

Jorge Brandão diz que a associação “está a colaborar num grupo na Direção Geral de Saúde para definir normas ao nível dos cuidados de saúde primários”.