O ministro da Saúde afirmou hoje que “não há motivo para preocupação” em relação ao surto de sarampo detetado na semana passada no porto e com 42 doentes confirmados até agora.

Adalberto Campos Fernandes considerou “pouco racional e sensato” a falta de vacinação das pessoas, assinalando que a vacina continua a ser “uma arma” contra doenças infecciosas como o sarampo.

“É preciso vacinar”, insistiu, defendendo a necessidade da “luta contra a ignorância” perante as “evidencias científicas” dos benefícios e da “elevada segurança” das vacinas.

O titular da pasta da Saúde falava aos jornalistas à entrada de uma iniciativa onde participou na Faculdade de Medicina de Lisboa.

O ministro disse “não ter indicação” de que se esteja perante uma nova estirpe do vírus do sarampo, dado haver profissionais de saúde com a doença e que foram vacinados.

Adalberto Campos Fernandes desconhece igualmente se entre os profissionais de saúde infetados há algum pediatra.

O ministro crê que “se entrou na fase de reversão do surto”.

O secretário de Estado da Saúde revelou hoje existirem em Portugal 42 casos confirmados de sarampo, todos em adultos, ao passo que o número de casos suspeitos subiu para 117 e abrange “apenas uma criança, de 12 meses”.

Dos 42 casos confirmados de sarampo, todos dizem respeito a adultos e existem 39 casos “a aguardar resultados”, acrescentou Fernando Araújo, numa conferência de imprensa realizada no Porto para fazer o ponto de situação sobre o surto de sarampo verificado na região Norte.