O mês de outubro em Portugal continental foi seco em relação à precipitação, mantendo-se todo o território em situação de seca fraca a moderada, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com o resumo do Boletim Climatológico do IPMA disponível hoje, o mês de outubro foi normal quanto à temperatura do ar e seco em relação à precipitação.

Durante o mês de outubro, salienta o IPMA, existiram dois períodos quentes (com onda de calor) e dois períodos frios, sendo também de destacar a passagem da tempestade Leslie nos dias 13 e 14 que causou 28 feridos ligeiros e 61 desalojados, originando mais de 2.000 ocorrências comunicadas à Proteção Civil, sobretudo na região centro do país, e avultados danos materiais.

No relatório, o IPMA destaca que nos dias 13 e 14 de outubro a passagem da tempestade Leslie originou ventos muito fortes nos distritos de Lisboa, Leiria, Coimbra, Aveiro e Viseu.

“Destaca-se a rajada registada na estação meteorológica da Figueira da Foz/Vila Verde às 21:40 do dia 13 a qual corresponde ao valor mais elevado registado em estações da rede meteorológica nacional (máximo anterior de 169 km/h em 17 de outubro de 2015)”, é referido no relatório.

A 16 de outubro, o IPMA estimava que a passagem da tempestade tropical Leslie nas zonas mais afetadas de Portugal terá causado ventos de 180 a 190 quilómetros/hora, superiores aos registados nas estações meteorológicas oficiais.

De acordo com o resumo do Boletim Climatológico disponibilizado esta quarta-feira, entre os dias 1 e 6 de outubro foram registados valores da temperatura máxima muito superiores ao normal, sendo de salientar os dias 3 e 4, com um desvio superior a 9 graus Celsius em relação ao normal.

O IPMA destaca também a ocorrência de uma onda de calor com duração de seis dias em alguns locais da região Sul: Portalegre, Alcácer do Sal (Setúbal), Évora, Viana do Alentejo (distrito de Évora), Amareleja (Beja) e Neves Corvo (Beja). Nas estações de Alvalade (Beja), Benavila (Portalegre) e Elvas a onda de calor que se iniciou em setembro manteve-se até ao dia 06 de outubro.

Nos dias 14 e 15 de outubro ocorreu um período frio com temperaturas do ar (média, máxima e mínima) inferiores ao normal.

O IPMA indica também que entre os dias 20 e 25 de outubro voltou a ocorrer novo período quente, com valores da temperatura média do ar (média, máxima e mínima) acima do valor normal, sendo de realçar desvios da máxima nos dias 23 e 24 (superiores a três graus Celsius).

No final do mês, entre 27 e 31 de outubro, registou-se um período muito frio, com valores da temperatura do ar (média, máxima e mínima) muito inferiores ao normal.

“Nos dias 28 e 29 foram ultrapassados os menores valores anteriormente observados da temperatura mínima do ar para o mês de outubro, em algumas estações meteorológicas das regiões do Norte e Centro”, é referido.

De acordo com o IPMA, o valor médio da temperatura máxima do ar (22,61 graus Celsius) foi superior ao normal, sendo o sexto valor mais alto desde 2000.

O valor médio da temperatura mínima (10,67 graus Celsius) foi inferior ao normal, sendo o quarto valor mais baixo desde 2000.

No que diz respeito à precipitação, o IPMA adianta que o valor médio da quantidade (70,4 milímetros) corresponde a cerca de 72% do valor normal.

“Valores da quantidade de precipitação inferiores aos agora registados ocorreram em cerca de 40% dos anos”, é indicado.

No Boletim o IPMA destaca ainda que a 31 de outubro mantinha-se a situação de seca fraca a moderada em todo o território: 0,1% estava na classe normal, 82,4% na classe de seca fraca e 17,5% na classe de seca moderada.

O IPMA classifica em nove classes o índice meteorológico de seca, que varia entre “chuva extrema” e “seca extrema”.