A criminalidade move-se e todos os anos existem algumas alterações nos distritos com mais registos de participações criminais. Lisboa e Porto estão sempre no topo da tabela. Em 2006, a criminalidade aumentou num total de nove distritos, tendo diminuído nos restantes.

Assim, e por ordem decrescente os distritos onde houve um aumento de crimes, no ano passado, foram Évora (7,5 por cento), Santarém (6,8 por cento), Lisboa (5,3 por cento), Porto (4,7 por cento), Setúbal (4,7 por cento), Castelo Branco (4,1 por cento), Vila Real (3 por cento), Faro (2,1 por cento) e Açores (0,5 por cento).

Já os distritos com mais crimes são Lisboa, Porto, Setúbal, Faro, Braga e Aveiro. No conjunto, estes seis distritos englobam 70 por cento do total das participações criminais.

Associada às cidades está muitas vezes a criminalidade grupal e a delinquência juvenil. Os crimes praticados em grupo também aumentaram em 2006. O crescimento de 12,9 por cento «tem de ser estudado, mas não se trata de uma explosão de gangs», afirmou o secretário de Estado da Administração Interna, José Magalhães, na apresentação do Relatório Anual de Segurança Interna.

A delinquência juvenil, crimes praticados por menores de 16 anos, registou uma diminuição de 0,9 por cento, num total de mais de quatro mil ocorrências. De salientar, que estes crimes praticados por jovens aumentaram nas zonas rurais e diminuíram nas cidades.

Sobre a violência nos centros urbanos o relatório faz a seguinte análise: «em relação à criminalidade violenta e à chamada insegurança urbana, os núcleos suburbanos continuam a ser os locais ocupados pelas comunidades com insuficiente integração social, locais estes em que o Estado tem dificuldade em exercer a sua autoridade».