O Ministério Público (MP) do Porto acusou uma sociedade e cinco pessoas de violação de regras de segurança, no caso de uma trabalhadora que ficou com uma mão esmagada numa máquina, informou hoje a Procuradoria-Geral Regional do Porto (PGR-P).

O despacho, datado de 02 de fevereiro e publicado hoje na página da Internet da PGR-P, acusa dois administradores da sociedade arguida, com sede e instalações fabris em Grijó, Vila Nova de Gaia, um diretor-geral, um diretor de departamento e uma chefe de linha.

O acidente ocorreu no dia 16 de janeiro de 2019, pelas 11:00, quando a operária da referida sociedade procedia à limpeza de uma máquina de rolos cilíndricos pertencente à linha de produção da fábrica e que servia para aplicação de revestimento de alto brilho, tinta ou verniz, em superfícies MDF.

De acordo com o MP, a mulher abriu a porta lateral da referida máquina para aceder aos rolos e proceder à sua limpeza com um pano e produtos próprios e, enquanto executava esta tarefa, “a sua mão direita ficou presa e esmagada entre os ditos cilindros, causando-lhe lesões de laceração, entre outras, e sequelas permanentes”.

A acusação concluiu que o acidente se ficou a dever à atuação dos arguidos que “desativaram o sistema de segurança da máquina”, com o propósito de “pouparem tempo no processo produtivo e nas operações de limpeza”.

O MP refere ainda que este sistema de segurança implicava a imediata imobilização dos rolos cilíndricos logo que abertas as portas laterais e só com estes imobilizados se devia proceder à sua limpeza, de acordo com o manual de utilização da máquina.

/ Publicada por MM