Foi condenado a 12 anos de prisão o homem que, em setembro do ano passado, raptou e violou uma menina de sete anos, no Seixal. 

A sentença, conhecida nesta quarta-feira, é sustentada em dois crimes de violação agravada e um de rapto.

O Ministério Público pedia 15 anos de prisão, mas o tribunal considerou como atenuantes a ausência de antecedentes do arguido e a falta de provas quanto a alegadas ameaças de morte à vítima.

O homem, de 39 anos, de nacionalidade cabo-verdiana, foi ainda condenado ao pagamento de 30 mil euros à família da vítima, ficando também impedido de exercer qualquer profissão que exija contacto com menores durante dez anos.

O caso remonta a 1 setembro de 2018, quando uma menina de sete anos, que brincava num parque infantil com os dois primos, foi levada por um homem, que se fez passar por amigo da família, na tarde de sábado.

A menina só foi encontrada na madrugada de domingo, dez horas depois de ter sido raptada.

"O arguido agiu voluntária e conscientemente, requerendo do uso da força para satisfazer os seus apetites sexuais", considerou a juíza Carla Roque, para quem o depoimento da menor mereceu "toda a credibilidade do tribunal".

Segundo o tribunal deverá ser, a partir de agora, tratado como doente, depois de admitir sentir-se atraído por crianças desde os seus 16 anos.