A TVI teve acesso a uma gravação áudio de uma reunião, onde um coordenador de departamento revela um Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) falido e à beira da rutura. 

Considerando a reestruturação do SEF como uma "cangalhada", o coordenador diz que o cenário é de "navegação à vista"

A TVI sabe que o SEF tem acumulado vários dívidas a vários fornecedores: são centenas de milhares de euros que asfixiaram este órgão. Segundo o mesmo coordenador, não há dinheiro no serviço a partir desta segunda-feira para pagar a fornecedores.

O resultado onde estamos hoje resulta de interesses pessoais, egos feridos e umbigos a sangrar. E não conseguimos controlar esses venenos", afirma o coordenador do SEF em questão, na gravação áudio, acrescentando: "Pensem bem em quem é que votaram nas eleições passadas e agradeçam o outcome que estamos a passar. Isto é uma cangalhada. Ninguém sabe nada, é colar post-its na parede e navegar à vista".

Já sobre o futuro do trabalhadores do SEF, a mensagem é clara:

Eu arranjo lugar para quem quiser onde quiser. Eu arranjo lugar, tenho uma lista de contactos vasta e pessoas com qualidade e que reconheço", pode ouvir-se na gravação audio, que termina em tom de ameaça: "Esta conversa se sai daqui está tudo lixado comigo"

Confrontado pela TVI, o SEF diz que tomou esta segunda-feira conhecimento da gravação e que instaurou de imediato um inquérito para investigar uma possível violação de deveres. 

André Carvalho Ramos