O presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Registos e Notariado acusa a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública de ter entrado na Loja do Cidadão das Laranjeiras, em Lisboa, "aos altos berros", no passado sábado.

Segundo Arménio Maximino, Alexandra Leitão "destratou os trabalhadores à frente dos utentes e interrompeu um atendimento".

[A ministra] foi lá fazer bullying", afirma o responsável.

Na causa da polémica estará a espera de 11 horas de um cidadão que pediu um passaporte. O presidente do sindicato lembra que "milhões de portugueses" esperam há mais de três meses para fazerem vários atos naqueles serviços.

Contactado pela TVI, o ministério confirma a ida da ministra ao local, por volta das 14:00, depois de não terem sido distribuídas senhas para atendimento espontâneo. Ainda assim, Alexandra Leitão "rejeita todas as acusações feitas pelo sindicato, tendo se limitado a velar pelo cumprimento do que estava estabelecido no despacho".

A ministra dirigiu-se ao local para verificar pessoalmente o que se passava. Já na loja, diz o ministério, "foi confrontada com o facto de um cidadão se encontrar à espera há mais de 10 horas para ser atendido para a emissão de passaporte".

No seguimento do caso, a ministra deu indicação para que o cidadão fosse atendido imediatamente, até porque, como refere o ministério, havia poucas pessoas a aguardar.

A Ministra demonstrou a sua preocupação com a necessidade de responder aos cidadãos em tempo razoável, o que não estava a acontecer naquele caso em particular", acrescenta o comunicado.

Redação