O administrador da PT Rui Pedro Soares afirmou, esta quinta-feira, que os tribunais decidiram que o jornal «Sol» «está impedido de publicar, por qualquer forma», conversas telefónicas em que tenha participado e que constem do processo Face Oculta.

Num comunicado citado pela Lusa, Rui Pedro Soares garante que a decisão foi tomada por «um Tribunal Civil Português, numa providência cautelar» que impede o jornal de «distribuir e vender edições do "Sol" que contenham essas conversas e facultá-las a quem quer que seja».

O administrador da PT afirma esperar, «porventura em vão», que o jornal «Sol» cumpra a providência cautelar, em que invocou «a violação das regras legais que tutelam o segredo de Justiça». «Tenho perfeita consciência de que a decisão de um Tribunal valerá pouco ou nada para muitos, nomeadamente os que, nos últimos dias, têm tentado branquear as violações da lei perpetradas pelo "Sol"», afirma Rui Pedro Soares.

Rui Pedro Soares afirma também que as «histórias» publicadas pelo «Sol», «como se provará pelos meios e no momento adequado, são manipulações».

Argumentando que os tribunais «decidiram que a actuação do "Sol" viola as leis deste Estado de Direito», Rui Pedro Soares justificou a providência cautelar com a necessidade de «defender a honra e o bom nome», a sua «vida pessoal e familiar» e o «segredo profissional» a que está obrigado como administrador da PT.

Rui Pedro Soares interpôs, esta sexta-feira, uma providência cautelar contra o jornal «Sol», para evitar a publicação de escutas em que estava envolvido. O jornal já fez publicar um comunicadoem que garante que estará, na sexta-feira, nas bancas, como habitualmente, e com a revelação de mais pormenores sobre as escutas que dão conta de um suposto plano do Governo para controlar a Comunicação Social.
Redação / MM