"Queremos estancar a sangria da destruição através da criação de legislação e da sensibilização da população portuguesa, que olha para o azulejo de forma banal, sem o ver realmente. Os estrangeiros ficam maravilhados com o nosso património azulejar, enquanto os portugueses não os valorizam", lamentou.