Os profissionais de saúde da linha da frente do combate à pandemia ainda não receberam o subsídio de risco que devia ter sido pago em fevereiro, nem vão recebê-lo ainda este mês.

Este subsídio foi prometido pelo Governo e aprovado no Orçamento de Estado para 2021. Deve ser pago de dois em dois meses, “até 12 meses por ano e enquanto persistir a situação de pandemia em período de emergência, calamidade ou contingência”.

Segundo o jornal Público, o subsídio ainda não deve ser processado no final deste mês, alegadamente devido a uma falha dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, que ainda não criaram os códigos para que os recursos humanos do SNS consigam processar este subsídio juntamente com os salários.

O subsídio de risco é direcionado aos profissionais de saúde que contactem diretamente com doentes com ou suspeita de covid-19. Vai ser de 20% da remuneração de base, mas não pode ultrapassar os 219 euros por mês.

Em dezembro, o ministério garantiu que seria destinado a 25 mil profissionais de saúde do SNS, com um custo total de 23 milhões de euros.

/ CP