O Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) anunciou hoje que decidiu suspender a circulação de veículos de manutenção da ferrovia, como aquele que colidiu contra um Alfa Pendular em Soure, até que sejam adotadas medidas mitigadoras do risco.

O IMT, enquanto autoridade nacional de segurança ferroviária (ASNF), determinou a suspensão da circulação de veículos de manutenção e fiscalização da ferrovia sem o sistema de controlo de velocidade, até que sejam adotadas medidas preventivas, para diminuir o risco de acidente, afirmou hoje a entidade, numa nota de esclarecimento relativa ao acidente entre um destes veículos e um Alfa Pendular, em Soure, na sexta-feira, que resultou na morte de duas pessoas.

"Até que o sistema de proteção automática [nos veículos de conservação da ferrovia] seja implementado, a ANSF exigiu à Infraestruturas de Portugal que sejam adotadas medidas adicionais e complementares mitigadoras de risco que permitam a circulação destes veículos não equipados com CONVEL [sistema de controlo de velocidade]. Até à implementação destas medidas adicionais e complementares mitigadoras do risco, a circulação destes veículos encontra-se suspensa", disse aquela entidade.

Na nota, o IMT referiu que requereu uma avaliação urgente da viabilidade da solução para estes veículos "e, caso viável, a consequente implementação urgente", salientando que a Infraestruturas de Portugal (IP) já deu informação de que "terá sido encontrada uma solução viável".

"O IMT continuará a avaliar a situação, podendo resultar em novas medidas a adotar", acrescentou.

Na sexta-feira, uma dresine (veículo de conservação da ferrovia) colidiu contra um Alfa Pendular, no concelho de Soure, distrito de Coimbra.

O descarrilamento provocou dois mortos (os ocupantes da dresine), oito feridos graves e 36 feridos ligeiros.

A colisão surgiu em resultado da ultrapassagem indevida de um sinal vermelho por parte da dresine, à saída da estação de Soure.

IP propõe que dresines precisem de aval do centro de comando para seguir marcha

A Infraestruturas de Portugal (IP) propôs, entretanto, que os veículos de conservação da ferrovia (dresines) necessitem de uma autorização do Centro de Comando Operacional para poderem seguir marcha até ser instalado o sistema de controlo de velocidade.

Segundo uma nota da IP, a empresa pública propôs à autoridade nacional de segurança ferroviária (ANSF) "uma revisão do atual quadro regulamentar", com uma nova medida complementar de segurança, que consiste na necessidade de obtenção de "uma nova autorização do Centro de Comando Operacional para prosseguimento da marcha" dos veículos de conservação e fiscalização da ferrovia.

Esta medida, sugere a IP, poderá vigorar "até à implementação do sistema de controlo automático de velocidade neste tipo de veículos".

A nota de imprensa surge na sequência do anúncio hoje do Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT), enquanto ANSF, de suspender a circulação de veículos de manutenção da ferrovia, como aquele que colidiu contra um Alfa Pendular em Soure, até que sejam adotadas medidas mitigadoras do risco.

A empresa salienta que, após o acidente na Linha do Norte, em Soure, tomou a iniciativa de, no próprio dia, suspender a circulação deste tipo de veículos, frisando que a estratégia desta entidade está alinhada com as recomendações emitidas pela ANSF, às quais já está a dar cumprimento.

Questionada pela agência Lusa, fonte da IP afirmou que a expectativa é que haja "uma resposta em breve" do IMT a esta proposta, por forma a retomar a circulação destes veículos de manutenção da ferrovia. 

Segundo a mesma fonte, a manutenção da ferrovia continua a ser feita, "mas não com esses veículos"

/ PP (atualizado às 16:08)