O Conselho de Administração (CA) do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT) suspendeu hoje temporariamente as férias aos cerca de dois mil profissionais, uma medida válida até 31 de janeiro e que entra imediatamente em vigor.

Em comunicado, o CA do CHMT, que abarca as unidades hospitalares de Abrantes, Tomar e Torres Novas, no distrito de Santarém, afirma ser "absolutamente indispensável e essencial, no particular momento em que nos encontramos, proceder à adoção de uma medida de caráter excecional e temporária de suspensão do gozo de férias", medida tomada "no âmbito da situação atual de Estado de Emergência e em virtude dos condicionalismos hospitalares e de saúde pública".

Veja também:

A medida, igualmente transmitida aos profissionais de saúde através de uma Circular Normativa, é justificada "pelo Despacho n.º 10921/2020, de 03 de novembro, da ministra da Saúde" e à necessária "prontidão integral de toda a capacidade e de todos os recursos existentes no Serviço Nacional de Saúde, na lógica em que este constitui uma única rede de prestação de cuidados à globalidade da população residente em território nacional".

Nesse sentido, segundo o CHMT, esta "medida excecional" surge no sentido de "adequar os meios humanos necessários para fazer face às especificidades estruturais e assistenciais que se consideram fundamentais", tendo em conta "o aumento do número de infeções decorrentes do surto pandémico do vírus SARS-CoV-2" e ao "número de óbitos".

Na circular, a que a agência Lusa teve acesso, pode ler-se que esta medida "comporta necessariamente uma garantia de prontidão e eficácia da resposta dos serviços do CHMT, E.P.E., na prestação de cuidados a doentes infetados por SARS-CoV-2/Covid-19 e maximizando, ainda, a capacidade de prestação de cuidados de saúde a todos os outros doentes não Covid-19, implicando um esforço coletivo de todos os profissionais".

Com entrada imediata em vigor e até ao dia 31 de janeiro de 2021, a Circular Normativa especifica, igualmente, que "a presente determinação não prejudica a aplicação de quaisquer regras sobre a aquisição do direito a férias, designadamente relativas ao seu posterior gozo e duração".

No CHMT, os dados de hoje indicam que, das 86 camas disponíveis para doentes covid-19, 72 estão ocupadas. Dessas, 69 por pessoas internadas em enfermaria e três na Unidade de Cuidados Intensivos (UCI).

Em situação limite, o CHMT pode ir até às 197 camas para doentes covid-19.

/ DA