As regiões Alentejo e Lisboa e Vale do Tejo tiveram as maiores taxas de mortalidade em 2000/2004, sendo o risco relativo de morte nestas zonas 20 a 50 por cento superior à média do Continente, segundo um estudo a apresentar esta terça-feira, divulgado pela agência Lusa.

Alvito foi o concelho com maior taxa de mortalidade entre 2000 e 2004, com 1.321,3 óbitos anuais por 100 mil habitantes, indica um estudo do Instituto Nacinal de Saúde Dr. Ricardo Jorge.

No extremo oposto está o concelho de Vendas Novas, Évora, com 774,1 mortes anuais por 100 mil habitantes, adianta a «Análise da Mortalidade e dos Internamentos Hospitalares por Concelhos de Portugal Continental (2000 e 2004)» que será apresentado com a participação do ex-ministro da Saúde Correia de Campos.

Madeira é a região com a menor esperança de vida

Segundo a mesma análise, a taxa nacional de mortalidade no mesmo período foi de 964,8 por 100 mil habitantes.

Da autoria de Rita Nicolau, Ausenda Machado, José Marinho Falcão e Baltazar Nunes, a análise, publicada em livro, é o resultado da conclusão da primeira de três fases do projecto GeoFASES (Análise Geográfica de Factores Ambientais e Sócio-Económicos em Saúde).

A segunda fase do GeoFASES irá avaliar se a variação geográfica de características sócio-económicas, da exposição a factores ambientais e de estilos de vida da população podem explicar a diferença de números.

Numa terceira e última fase, irá estimar-se o impacto dos factores ambientais.

Dos cinco concelhos, quatro são em Beja

Nes primeira fase, foram analisados os óbitos e os internamentos de acordo com quatro grandes grupos de causas: «todas as causas, excepto causas externas» (que incluía 95 por cento do total de óbitos em Portugal Continental entre 2000 e 2004), doenças do aparelho respiratório, doenças do aparelho circulatório e neoplasias malignas (cancro).

Dos cinco concelhos com registos mais elevados de mortes integradas no grupo «todas as causas, excepto as causas externas», quatro localizam-se no distrito de Beja: Alvito, Cuba, Aljustrel e Serpa. O quinto é o concelho da Murtosa (Aveiro).

Também a região de Lisboa e Vale do Tejo - principalmente nos distritos de Lisboa, Santarém e Setúbal - mostra uma grande concentração de concelhos contíguos com taxas de mortalidade acima da média nacional (1.015 por 100 mil).

O risco relativo de morte nestas zonas geográficas excedeu entre 20 a 50 por cento o número médio nacional.

Quanto aos concelhos com menor mortalidade, três ficam no distrito de Évora: Vendas Novas, Borba e Alandoral. Integram ainda este grupo os concelhos de Vila Nova de Paiva (Viseu) e Vinhais (Bragança).

A região do Alentejo agrupa, assim, simultaneamente, o maior número de concelhos com maior e menor taxa de mortalidade.

Quanto à análise dos óbitos relacionados com os três grupos de doenças considerados, quase 40 por cento das mortes registadas entre 2000 e 2004 estavam relacionadas com doenças do aparelho circulatório.
Redação / JRS