Das três mil farmácias do país, apenas 373 cumprem os requisitos necessários para poderem vender testes à covid-19 ao público. No entanto, muitas têm-no feito à margem da lei. 

De acordo com o Jornal de Notícias (JN), o Infarmed está a realizar "ações de fiscalização às farmácias comunitárias (...) no que respeita a venda e realização de testes rápidos".

Quando são detetadas situações de venda de testes rápidos ao público, o Infarmed enceta as ações necessárias para que a farmácia cesse essa prática", esclarece a Autoridade Nacional do Medicamento.

Os estabelecimentos que têm vendido esses testes sem autorização têm sido notificadas para cessar essa prática: "Até agora, poucas foram as farmácias notificadas nesse sentido"

Ao JN, algumas destas farmácias garantiram que recomendaram aos clientes que os testes sejam realizados por um profissional de saúde. Porém, quando confrontadas com um pedido oficial de informações, estas negaram a venda ou recusaram dar informações. 

Quanto aos testes serológicos - que permitem avaliar se uma pessoa tem anticorpos ao SARS-CoV-2 -, o Infarmed explicou que as farmácias comunitárias não têm condições para que estes sejam feitos "de forma generalizada"

Cláudia Évora