O bastonário da Ordem dos Médicos (OM) afirmou esta quarta-feira que numa altura em que o país está a desconfinar é necessário aumentar a testagem em massa e regular a capacidade da saúde pública.

A situação crítica é agora, é agora que estamos a desconfinar, é agora que temos de aumentar muito a capacidade de resposta da saúde pública, é agora que temos de aumentar a testagem em massa e de forma regular”, disse Miguel Guimarães aos jornalistas, à margem de uma cerimónia de entrega da Bolsa de Investigação D. Manuel de Mello, no Porto.

Para Miguel Guimarães, testar de forma regular poderá ser testar de três em três semanas ou uma vez por mês.

Não pode ser hoje e daqui a cinco ou seis meses, daqui a seis meses, espero eu, já teremos imunidade de grupo”, frisou.

O bastonário da OM lembrou a importância da testagem regular em locais em que a propagação da infeção pode ser mais forte, nomeadamente em algumas escolas, defendendo que é fundamental que se faça testagem em massa não só dos professores, mas dos alunos, para ser mais fácil controlar rapidamente possíveis pessoas infetadas e separá-las das que não estão infetadas.

Se fizermos isso vamos conseguir manter o desconfinamento com números absolutamente aceitáveis para aquilo que queremos”, considerou.

Contudo, disse, a testagem dever ser organizada e planeada e não “feita à sorte”, levantando dúvidas sobre os autotestes.

“A questão dos autotestes levanta muitas dúvidas e vai levantar imensos problemas, primeiro pelo tipo de testes que são realizados que têm bastantes falhas e, depois, pelo facto de as pessoas poderem ou não reportar os resultados”, considerou.

Miguel Guimarães comparou os autotestes à aplicação `Stayaway Covid´ que, entendeu, poderia funcionar se as pessoas cumprissem e comunicassem os resultados.

O bastonário da Ordem dos Médicos alertou ainda que as pessoas que estão vacinadas têm de manter as medidas de proteção individual e coletiva, como a utilização de máscara, o distanciamento social e higienização das mãos.

/ MJC