Os dois homens detidos em Torres Novas por suspeitas dos crimes de roubo, sequestro, homicídio e profanação de cadáver de um taxista ficaram em prisão preventiva, anunciou a Procuradoria da Comarca de Santarém.

Segundo a informação publicada no site daquela Comarca, o Ministério Público apresentou os detidos a primeiro interrogatório judicial "por suspeitas da prática de crimes de homicídio, profanação de cadáver, roubo e sequestro, relativamente a factos que ocorreram no período compreendido entre 19 de abril e 1 de maio", tendo o juiz de instrução decidido aplicar aos dois arguidos, na sexta-feira, a medida de coação de prisão preventiva.

Foi, justamente, nesta última data [1 de maio] que ocorreu o homicídio de um taxista, em Torres Novas. Existem suspeitas de que o crime terá sido motivado pelo testemunho da vítima, no âmbito de processo judicial, contra um dos arguidos", pode ler-se na mesma informação.

Segundo as autoridades, os detidos são "igualmente suspeitos da prática de vários outros crimes de roubo e sequestro, praticados através da designada técnica de carjacking. As vítimas, todas do sexo feminino, eram surpreendidas no interior dos seus veículos e, sob ameaça de arma branca, forçadas a entregar o conteúdo das respetivas carteiras bem como os códigos dos cartões de débito e crédito", acrescenta.

O inquérito corre os seus termos no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Santarém e encontra-se em segredo de justiça. O Ministério Público é coadjuvado na investigação pela Polícia Judiciária.