O surto de covid-19 associado à participação em festas de diversão noturna na praia de Santa Cruz, no concelho de Torres Vedras, aumentou para 52 infetados, segundo o boletim epidemiológico divulgado esta quarta-feira, e não está circunscrito.

O surto subiu de 46 para 52 infetados nas últimas 24 horas, de acordo com o boletim divulgado pelo município a partir de informação reportada pelas autoridades locais de saúde.

Fonte oficial da autarquia explicou que “o surto não está circunscrito a um local específico e pode evoluir”, com um potencial de atingir 76 pessoas.

Os casos ativos associados têm idades entre os 15 e os 25 anos e 24 contactos de risco diretos encontram-se em vigilância pelas autoridades de saúde.

Segundo a mesma fonte, o contágio aconteceu no último fim de semana de agosto, durante uma festa privada com cerca de 60 pessoas e em festas ocorridas em pelo menos três bares de diversão noturna, que se mantêm abertos, uma vez que não há funcionários afetados.

Os primeiros casos foram detetados, no início dessa semana, entre um grupo de amigos que se juntaram na praia e na piscina e que frequentaram um bar.

Contagiaram depois outros cidadãos que, por sua vez, infetaram outros em festas ocorridas em pleno menos outros dois bares de diversão noturna, de acordo com a investigação efetuada pelas autoridades de saúde aquando do inquérito epidemiológico.

Desde o início da pandemia, Torres Vedras, no distrito de Lisboa, contabiliza 6.950 casos confirmados, dos quais 148 estão ativos. Outras 6.626 pessoas recuperaram e 176 morreram, de acordo com o boletim epidemiológico.

A covid-19 provocou pelo menos 4.574.225 mortes em todo o mundo, entre mais de 221,13 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 17.816 pessoas e foram contabilizados 1.048.941 casos de infeção confirmados, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil ou Peru.

/ AG