Saiu a acusação do Ministério Público contra o casal detido por vender quatro bebés em anúncios na internet. A acusação revela que o casal terá lucrado perto dos 105 mil euros com a venda das crianças.

Os arguidos foram acusados de quatro crimes de tráfico de pessoas. A mulher é também acusada de quatro crimes de falsificação de documentos.

A arguida está a aguardar o julgamento em prisão domiciliária. O outro suspeito, o pai biológico de todas as crianças vendidas, ficou sujeito a apresentações periódicas às autoridades.

As crianças eram geradas já com o objetivo de serem vendidas”, afirmou o diretor da Polícia Judiciária Norte, Norberto Martins

O casal utilizou sempre o mesmo esquema. A mulher dava à luz e, de imediato, entregava o recém-nascido ao casal e ia ao registo civil com o comprador, que se assumia como pai da criança. Depois, no tribunal de família e menores, era aberto um processo onde a mãe abdicava sempre da guarda dos filhos.

Os compradores, todos estrangeiros, chegaram a pagar montantes na ordem dos 36 mil euros por uma criança.

O primeiro bebé foi sido vendido a um casal homossexual residente na suíça por 21,500 euros, em 2012. Um outro casal chegou a comprar dois bebés, em julho de 2013 e março de 2015, por um total de 47 mil euros.

A última criança vendida por 36 mil euros, em novembro de 2017, a um casal suíço que não podia ter filhos e estava em processo de adoção há mais de 10 anos.

As crianças vendidas, que hoje têm idades entre os dois e os sete anos, continuam a viver com as famílias que as compraram.

/ Catarina Caseirito