Esta quarta-feira é dia de greve geral e, para já, a antevisão é um pouco assustadora. O dia será muito complicado para os portugueses. Escolas, hospitais e tribunais a meio gás. Transportes quase parados. Há muitas empresas que nem os serviços mínimos garantem.

Os sindicatos prevêem uma elevada adesão e prometem parar o país. Ou seja, chegar amanhã ao emprego será difícil um pouco por todo o país.

Só em Lisboa a greve deve afectar um milhão e meio de passageiros. A Refer assegura ter perto de quinze por cento dos comboios a circular.

Mas a greve contra as medidas de austeridade do Governo também vai afectar o tráfego aéreo. Trabalhadores da TAP, ANA e Groundforce prometem apenas cumprir os serviços básicos.

Para quem considera que o estado da saúde vai mal, dia 24 de Novembro será pior. Cirurgias programadas ou consultas marcadas há muito tempo, o melhor é telefonar a confirmar para não sair de casa desnecessariamente. Médicos e enfermeiros prometem uma forte adesão à greve.

Um local para deixar os mais pequenos será ainda mais complicado de arranjar. A maioria das escolas não terá aulas e nem os colégios privados escapam à paralisação.

Quem deixou para esta quarta-feira tratar de algum problema nas finanças ou nas conservatórias, se puder, deixe para outro dia porque pode encontrar as portas fechadas.



Apesar dos juízes não terem aderido ao protesto, a maioria dos tribunais só atende casos urgentes.

Metro do Porto quase vai parar

Mais de 550 voos cancelados

STCP prevê perturbações

Trabalhadores da EMEL prometem «grande participação»

Metro de Lisboa sem serviços mínimos no dia da greve geral

CTT garantem serviços mínimos

TAP em força na greve geral, até pilotos aderem
Redação / PP