Os trabalhadores da Rodoviária de Lisboa (RL) decidiram, esta terça-feira, realizar uma greve de 48 horas, que irá abranger os dias 2 e 3 de dezembro, para reivindicar melhorias salariais, disse à agência Lusa fonte sindical.

A decisão foi tomada esta tarde em plenário, realizado num dia em que os trabalhadores da RL estão a levar a cabo uma paralisação de 24 horas.

Em declarações à Lusa, o presidente do Sindicato Independente dos Trabalhadores da Rodoviária de Lisboa (SITRL), João Casimiro, explicou que a paralisação dos dias 2 e 3 de dezembro será realizada nos mesmos moldes da desta terça-feira, com o objetivo de “exigir salários dignos”.

“Vai ser nos mesmos moldes desta e irá também continuar a greve ao trabalho extraordinário, até que a administração nos ouça”, sublinhou.

João Casimiro explicou que os trabalhadores pretendem que haja um aumento do salário para os 730 euros ainda durante este ano e para os 750 em janeiro.

Atualmente, o ordenado médio de um trabalhador da RL é de cerca de 700 euros (brutos), enquanto o ordenado mínimo nacional é de 665 euros.

Segundo o presidente do SITRL, os sindicatos que representam os trabalhadores da RL estão disponíveis para negociar com a administração da empresa, que se faz representar pela Associação Nacional de Transportes de Passageiros (ANTROP), mas tal foi recusado.

Contactada pela Lusa, fonte da RL remeteu um eventual comentário a esta pretensão dos sindicatos para mais tarde.

Relativamente à paralisação de hoje, João Casimiro adiantou à Lusa que durante a manhã se registou uma adesão a rondar os 70%.

O sindicalista explicou que muitas carreiras também foram suprimidas devido à greve ao trabalho extraordinário que está também a decorrer.

Por seu turno, fonte da administração da RL apontou para uma adesão de 55% contra os 70% indicada pelo sindicato.

A Rodoviária de Lisboa, empresa de transporte rodoviário de passageiros, opera nos concelhos de Lisboa, Loures, Odivelas e Vila Franca de Xira, todos no distrito de Lisboa, servindo cerca de 400 mil habitantes.

A paralisação dos trabalhadores da RL coincide com a realização de uma greve parcial por parte dos trabalhadores do Metropolitano de Lisboa, numa semana em que a capital recebe o evento internacional Web Summit, que começou na segunda-feira e termina na quinta-feira.

/ BCE